domingo, 24 de outubro de 2010

ABRINDO AS CARTAS NA MESA DO MUNDO

ABRINDO AS CARTAS NA MESA DO MUNDO
(Victtoria Rossini)

Vôo pela janela
Percorro a tela
Limpa do retrovisor
Do meu chapéu
Meu céu
Sem controle
Remota torre
De espiar

Procuro sob a cama
A dama
Que diziam que eu seria...
(Não fui)
Sou valete despatriada
Sem coroa
Sem cetro
Sou o louco do baralho

Ando só em atalhos
Porque absorvi o GPS
E minha mente tece
Caminhos que não escolhi

Mas percorro
Ou morro...
Essa é a graça de estar aqui

Paro
Me olho
E agora?
A quem vou explicar
O que vivo
O que vivi
Sei que ninguém vai acreditar
Fui todos os naipes
Passei por todas as casas
Cumpri todos os papeis

Agora cartomante
Viro todas uma a uma
E vejo o que estava ali
Observado-observador
Olho os olhos do tempo
E sopro...

Corro

E vôo pela janela
Percorro a tela
Limpa do retrovisor
Do meu chapéu
Meu céu
Sem controle
Remota torre
De espiar

2 comentários:

Joaninha Atrevida disse...

Beleza, beleza... Arcano Poeta és (ou s0m0s)
Estoi a degustar el mundo!!!

Victtoria Rossini Poesias disse...

Amoooooooooooooooooreeeeeee
saudades!!
Arcano maior és tu minha amada!!
te amo
\o/
bjs bjs sempre