domingo, 12 de setembro de 2010

ESPECTRO

De Poesias editadas

ESPECTRO
(Victtoria Rossini)


Eu sou a mão que aponta
A ponte
Da passagem entre os mundos

Eu sou a voz que canta
No escuro da noite
Para guiar os sem bússola

Eu sou lanterna
Colocada estrategicamente
Na floresta fechada

A sibila pagã
Descalça e sem nome
Que conhece o caminho
Estende a mão

Não persiga meu olhar...
Siga os sinais e achará o caminho

3 comentários:

fabio disse...

Foi mal por não ter antes vindo aqui e comentado sobre o teu trabalho, na verdade eu é quem peço comentarios para o meu. Mas... Eu e você temos formas bem distintas de fazer poemas, você é bem direta em narrar seus sonhos e também a realidade, já eu gosto muito da fazer rodeios.Gosto de como você escreve, de como voce inconcientemente se narra, o que nós escrevemos é como se fosse uma impressão digital, aparentemente não está lá, mas se algum perito verificar, lá está ela.
voce se narra quando voce escreve, quando voce tenta se mostrar em seus poemas e esconder a sua face! Eu sei disso por que tudo o que eu escrevo tem um sentido muito especial, às vezes até tem mais de um sentido.
Eu sempre digo como eu sou, quem sabe um dia alguém vai finalmente escutar. se voce tivr algum livro editado me diz que eu quero comprar. Beijo, boa noite

Atenciosamente

Hilton Fabio Valentim da Silva.

Victtoria Rossini Poesias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Victtoria Rossini Poesias disse...

:)
Ten ho que ir até o teu então Fabio, ainda não fui :)
E sim, qdo leio o texto de um autor a q ja conheço a obra identifico a autoria imediatamente...Por isso tento exaustivamente, me ver, me narrar , e criar a partir de vários ângulos, não para criar dubiedades, mas para criar uma desconstrução em 3D melhorada hahaha
Obrigada pela visita e pelo carinho do comentario.
bjs e sucesso pra ti